Thiago Linhares - NEURO.jpg

Seja meu parceiro

 

Como é a avaliação psicológica no CMA?

Com o crescimento do número de profissionais de aviação no Brasil, a busca por clínicas e profissionais que emitam o Certificado Médico Aeronáutico (CMA) tem crescido no país. Mas, como o psicólogo faz parte deste processo? Como é a avaliação psicológica neste contexto?

 

O que é o CMA? Que profissionais devem fazê-lo?

O Certificado Médico Aeronáutico (CMA) é um exame de saúde pericial que visa certificar a aptidão física e mental de profissionais da aviação, considerando as particularidades de cada função. Deste modo, permite reduzir o risco à segurança do voo decorrente de questões relativas à saúde individual, observando ainda diferenças de validade/duração de acordo com a classe, função, faixa etária e outras condições médicas e de saúde (Brasil, 2019).

 

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC (Brasil, 2019), devem realizar esta avaliação: pilotos de linha aérea, piloto comercial e piloto privado com habilitação IFR (CMA de 1ª classe); piloto privado, comissário de voo, operador de equipamentos especiais, mecânico de voo e piloto de balão livre (CMA de 2ª classe); piloto de aeronave leve e piloto de planador (CMA de 4ª classe); e piloto de veículo aéreo não-tripulado – VANT (CMA de 5ª classe).

 

Por que profissionais da aviação devem fazer uma avaliação psicológica?

A avaliação psicológica surge no contexto do Certificado Médico Aeronáutico (CMA), como um exame complementar para auxiliar a perícia psiquiátrica, podendo a critério do médico credenciado ser considerada um fator que ateste a aptidão ou inaptidão para que o sujeito exerça suas atividades como profissional da aviação em condições de saúde e segurança.

 

A literatura científica em psicologia aponta que os profissionais da área de aviação estão constantemente submetidos a fadiga e estresse ocupacional, podendo afetar a saúde física e psicológica dos trabalhadores do setor (Leo Jeeva & Chandramohan, 2008). Este quadro apresenta-se por etiologias diversas, como através das interações sociais (com os colegas de trabalho, fornecedores e passageiros), do fenômeno do jet-lag, dos impactos sobre o ciclo circadiano e do afastamento do núcleo familiar (Chen & Chen, 2012).

 

Vale lembrar que o fator humano é “a parte mais flexível, adaptável e valiosa dentro do sistema de aviação, mas é também a mais vulnerável às influências externas que poderão vir a afetar negativamente o seu desempenho” (Icao, 2003, p.1-1).

 

Outro fator que deve ser considerado é o impacto de transtornos psiquiátricos sobre a performance destes trabalhadores. Deste modo, um diagnóstico com antecedência e o tratamento adequado destes transtornos é crítico para se manter a segurança na aviação (Morse & Bor, 2006).  O próprio Regulamento de Aviação Civil nº 67 (Brasil, 2019) estabelece uma série de transtornos cujo profissional do setor de aviação não pode possuir história clínica comprovada (antecedentes) ou diagnóstico clínico (atual).

 

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa, 2019) avaliou 69 itens nos relatórios de 716 acidentes e incidentes envolvendo aeronaves no período de 2008 a 2017 em todo o território brasileiro, com fatores cognitivos, emocionais e comportamentais como julgamento, indisciplina, atitude, tomada de decisão, percepção, esquecimento, motivação e atenção entre os 20 principais fatores contribuintes apontados. A avaliação psicológica, então, torna-se fundamental para melhoria tanto do bem-estar dos tripulantes e operadores da aviação, quanto para a redução de indicadores de acidentes e incidentes por falha humana.

 

Deste modo, a avaliação psicológica deverá ser realizada tanto na primeira emissão de CMA, como nas renovações anuais e nos exames após incidentes ou acidentes aeronáuticos, de acordo com as normas estabelecidas pelo Regulamento de Aviação Civil nº 67 (Brasil, 2019).

 

Quanto tempo dura uma avaliação psicológica para o CMA? E como ela é realizada?

Embora o tempo seja variável de acordo com o caso de cada candidato, esta avaliação comumente demanda um mínimo de 2 a 3 encontros entre o psicólogo e o candidato, que englobam técnicas psicológicas como entrevistas, dinâmicas, testes psicológicos (utilizando instrumentos fundamentados cientificamente), observações, exames psíquicos e intervenções, além de uma entrevista devolutiva breve (para explicar ao candidato os resultados observados, realizar encaminhamentos e fazer orientações em casos de necessidades de tratamento.

 

O estágio da testagem na avaliação psicológica para o CMA é construído através de uma bateria de testes padronizados e escolhidos para o caso e a função exercida/pretendida por aquele candidato, permitindo a identificação de níveis de performance em diferentes habilidades cognitivas como atenção, memória e raciocínio, além do funcionamento da personalidade daquele sujeito.

 

Os resultados adquiridos então são mensurados e avaliados, de acordo com tabelas normativas, obedecendo à critérios técnico-estatísticos e constructos validados cientificamente. Somente a partir da observação clínica e da normatização dos dados, o especialista então poderá justificar se o desempenho do candidato está ou não adequado para atuar na aviação naquele momento, assim possibilitando a interpretação dos dados e a construção do atestado psicológico. Ao final da avaliação este atestado deve ser entregue pelo candidato ao médico credenciado.

 

Que profissional deve conduzir esta avaliação?

Atualmente, alguns profissionais se dispõem a realizar uma avaliação psicológica para aquisição e renovação do CMA. A ANAC não credencia psicólogos, apenas médicos. Deste modo, os médicos credenciados podem receber avaliações psicológicas externas, desde que estas sigam as normas do Regulamento de Aviação Civil nº 67. A etapa de avaliação psicológica é um procedimento pericial que configura parte imprescindível para a emissão do CMA, quando solicitada por médicos credenciados para emissão de CMA de 2ª e 4ª Classes (Brasil, 2019).

 

Entretanto, é recomendável que você busque um profissional que já tenha experiência em avaliação psicológica no contexto da aviação, já que este setor é dotado de diversas particularidades que precisam ser consideradas na interpretação dos dados colhidos e na construção do atestado psicológico.

 

Possuo experiência com avaliações psicológicas para exames iniciais e renovações de CMA, pois trabalhei de 2017 a 2019 na Polícia Militar do Maranhão. Nesta instituição, atendi pilotos, copilotos, tripulantes, operadores e mecânicos de aeronaves do Centro Tático Aéreo – CTA quando submetidos a este processo. Portanto, caso esteja ou venha a São Luís, pode contar comigo!

 

 

Por: Thiago Linhares
Psicólogo CRP 22/1834

Especialista em Neuropsicologia

 

 

Referências

 

Brasil. (2019). Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC. Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC nº 67. Emenda nº00. Resolução ANAC nºxxx, de yyyyy de zzzz de 2009. Disponível em: http://www2.anac.gov.br/arquivos/pdf/audiencia/Anexoresolucao67.pdf. Acesso em 12 de julho de 2019.

Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos (CENIPA). Aviões Sumário Estatístico, 2008-2017. Disponível em: http://www2.fab.mil.br/cenipa/index.php/estatisticas. Acesso em 12 de julho de 2019.

Chen, C. F., Chen, S. C. (2012). Burnout and workengagement among cabin crew: Antecedents and consequences. International Journal of Aviation Psychology, 22, 41-58.

International Civil Aviation Organization (ICAO). (2003). Human Factors Guidelines for Aircraft Maintenance Manual (Doc 9824). Montreal, Canadá: ICAO. Disponível em: <https://www.faa.gov/about/initiatives/maintenance_hf/library/documents/media/support_documentation/icao_hf_guidelines_2003.pdf> Acesso em 12 de julho de 2019.

Leo Jeeva, S. P., Chandramohan, V. (2008). Stressors and stress coping strategies among civil pilots. Indian Journal of Aerospace Medicine, 52, 60-64.

Morse, J. S., Bor, R. (2006). Psychiatric Disorders and Syndromes Among Pilots. In: Bor, R.; Hubbard, T (Eds). Aviation Mental Health: Psychological Implications for Air Transportation. Hampshire, UK: Ashgate Publishing Ltd,.

 

 

 

Todos os artigos disponibilizados neste site poderão ser reproduzidos e distribuídos com propósito não comercial, desde que os créditos sejam dados ao autor. Reproduções eletrônicas são permitidas, mas devem linkar o artigo original desta página.

"Há muitas maneiras de você se fortalecer, e às vezes falar é a melhor delas."

 

André Agassi - Tenista